Vínculo com a igreja:

Recado ao leitor:

Receba atualizações em seu e-mail!

Vídeo do mês:

jesusnafamilia no WhatsApp:

jesusnafamilia no WhatsApp:

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Conhecendo as Testemunhas de Jeová (parte 1/2)

Quero abaixo trazer um extrato do referido livro haja vista que precisamos estar atentos ao crescimento exagerado de seitas e heresias onde muitos são enganados. Estamos vivendo uma época de apostasia muito grande.

Att: Presbítero Marcello

xxxxxxxxxx xxxxxxxxxx





Introdução

Elas sempre batem à nossa porta nas piores horas possíveis ‑ quando você ainda está deitado numa manhã de sábado, quando a família acabou de assentar‑se para o almoço de domingo, quando você está dando banho no bebê ‑ e continuam voltando com uma persistência comparável apenas à de uma mosca faminta em um dia quente de verão. Se você as recebe, elas o deixam frustrado e confuso. Manipulam suas Bíblias com surpreendente velocidade citando capítulo e versículo para "provar" que Jesus Cristo é apenas um anjo, que morreu em uma estaca e não numa cruz, que a aceitação de uma transfusão de sangue é um ato tão pecaminoso quanto o adultério, e que a Sociedade Torre de Vigia no Brooklyn, em Nova York, é o "profeta de Deus dos tempos modernos", seu, "canal de comunicação".
E tão fácil pensar nas Testemunhas de Jeová como a encarnação do mal e expulsá‑las de nossa porta com uma áspera repreensão. Ocasionalmente, é exatamente isto o que acontece. Minha esposa Penni, que foi criada como Testemunha de Jeová, certa vez bateu à porta de um senhor que se identificou como cristão (ela estava acompanhada de um jovem estudante das Testemunhas de Jeová). Tão logo este senhor descobriu quem eles eram, os expulsou de sua propriedade gritando: "enganadores", "mentirosos", o mais alto que podia, condenando‑os ao inferno no seu mais alto volume. (Penni usou este episódio para demonstrar ao seu jovem acompanhante como realmente são os membros de igrejas cristãs.)

No entanto, é a apatia e não a raiva o que mais freqüentemente recebe as Testemunhas de Jeová à porta. "Sinto muito. Não estou interessado", é a resposta que mais ouvem. Outra evasiva comum é: "sinto muito, estou ocupado". Talvez com menos freqüência, ouçam: "Sinto muito. Sou metodista" (ou outra designação denominacional qualquer). A este último à testemunha‑de‑Jeová responderá ocasionalmente: "eu também sinto muito que você seja metodista". Mas geralmente ele ou ela dirá simplesmente: "tenha um bom‑dia" e prosseguirá em sua visitação domiciliar.
Por que continuam insistindo? Por uma razão, acreditam que você será destruído na iminente batalha do Armagedom, a menos que "venha para a organização de Jeová, para a salvação" (A Sentinela, edição norte‑americana, 15/11/81, p. 21). Eles estão tentando salvar sua vida. Além disso, a motivação que os impele é a convicção de que não sobreviverão ao Armagedom a menos que se empenhem nesse trabalho de pregação de porta em porta sob a direção da "organização de Deus".

A maior parte das Testemunhas de Jeová está, com toda a sinceridade, fazendo o melhor que pode para servir a Deus. São como os judeus incrédulos a respeito de quem Paulo escreveu: "... de que têm zelo por Deus, mas não com entendimento. Porquanto, não conhecendo a justiça de Deus, e procurando estabelecer a sua própria, não se sujeitaram à justiça de Deus" (Rm 10:2-3).
A vasta maioria das Testemunhas de Jeová são vítimas de vítimas ‑ seguidores cegos de líderes cegos. Elas precisam escapar da doutrina de salvação por obras que as transforma em servos obedientes de um império religioso multibilionário. Precisam ser libertas do jugo opressivo que lhes pesa sobre os ombros; ainda que sejam levadas a crer que o suportar este jugo as salvará ‑ e que qualquer um que procura dissuadi‑las é um enganador enviado por Satanás.

Se você já tentou alguma vez, sabe o quanto é difícil conversar com as testemunhas de Jeová. Elas vão testar a sua paciência, seus conhecimentos bíblicos. Não perder o "fio da meada" numa dessas discussões pode  ser tão difícil quanto acompanhar a bolinha em um  jogo de conchas de um camelô,  pois elas pulam rapidamente de um versículo para outro. Mas o esforço é válido. Essas pessoas precisam ouvir o evangelho através de você.
A maioria das testemunhas de Jeová tem um passado desprovido de espiritualidade. Um grande número delas já foi católico romano que quase nunca freqüentava a igreja. Alguns foram educados em igrejas protestantes, mas nunca receberam a mensagem. Muitos não tiveram nenhuma base religiosa e estavam vivendo uma vida de materialismo ou pecado ‑ ou simplesmente sentiram‑se presos a uma rotina enfadonha que não os levava a lugar algum ‑ e então as testemunhas de Jeová bateram à porta. O convite ao "estudo da Bíblia" pareceu atraente: Deus era o que estavam precisando em suas vidas. Mas, rapidamente, as testemunhas de Jeová trocam o estudo da Bíblia pelo estudo do livro Torre de Vigia e levam seus novos discípulos a uma idolatrada organização, e não a Deus.

Quem ajudará as testemunhas de Jeová a ouvir o verdadeiro evangelho de Cristo? A cada semana elas batem a muitas portas e encontram muitas pessoas, inclusive muitos cristãos. Mas raramente encontram alguém que domina a "espada do Espírito" (Ef 6:17) de forma a poder penetrar sua fortaleza mental ‑ aquelas paredes quase impenetráveis de raciocínios torcidos, que a Sociedade Torre de Vigia erigiu em seus cérebros. Nós cristãos enviamos missionários às mais distantes partes da terra e os treinamos nos mais difíceis idiomas, para alcançar o perdido para Cristo. Não deveríamos fazer, no mínimo, algum esforço para falar eficientemente a estas almas perdidas que vêm bater às nossas próprias portas?
Mas um cristão que tenta conversar com uma testemunha de Jeová precisará de ajuda. As testemunhas de Jeová estudam e praticam várias horas por semana para tais encontros. Portanto, mesmo um leitor da Bíblia que tenha um conhecimento geral das Escrituras pode ser pego de surpresa por algum de seus estranhos argumentos. Se isso acontecer, onde você poderá procurar ajuda? É com este fim que o presente volume foi preparado.

Eu procurei examinar profundamente os versículos bíblicos favoritos das testemunhas de Jeová ‑ os textos que usam como pretexto para ensinar as doutrinas da Torre de Vigia. Cada versículo é considerado sob vários ângulos. Como as testemunhas de Jeová interpretam o versículo? Como se encaixa na sua estrutura doutrinária? O versículo é mal traduzido em sua versão bíblica? Elas o tiram do contexto? O que o versículo realmente diz? Qual a melhor forma de argumentar com uma testemunha de Jeová a respeito daquela passagem bíblica?

Outros versículos selecionados para discussão incluem aqueles que são ignorados pelas testemunhas de Jeová - os textos que os seus líderes cuidadosamente evitam quando dirigem seus seguidores em um exame orientado da Bíblia. (Embora eu tenha sido um ancião das testemunhas de Jeová por oito anos, responsável por ensinar a minha própria congregação e freqüentemente servindo como orador em outras, existiam inúmeras passagens bíblicas que eu desconhecia - até que me foram tiradas as vendas dos olhos.) Este volume discute os mais significativos destes versículos e mostra a maneira pela qual você pode usá-los efetivamente ao compartilhar o evangelho de Cristo com uma testemunha- de Jeová.

Para facilitar a sua referência, os textos aparecem em sua ordem bíblica. Este livro lhe será mais proveitoso se o ler em sua totalidade antes de usá-lo durante um encontro real com uma testemunha  de Jeová.
Em que creem as Testemunhas de Jeová?

É claro que, em algumas áreas, as testemunhas de Jeová acreditam no mesmo que os cristãos ortodoxos. Por exemplo, rejeitam corno pecado o sexo fora do casamento; aceitam o criacionismo bíblico que se opõe à teoria da evolução; e acreditam que a Bíblia é a palavra inspirada de Deus. Mas, em muitas outras áreas, suas doutrinas as colocam à parte e as marcam como praticantes de um culto pseudocristão ‑ particularmente os ensinamentos da seita sobre as seguintes questões (para mais detalhes e textos bíblicos relacionados consulte o Índice de Assuntos):

Armagedom: Deus vai em breve travar guerra contra a humanidade, destruindo todos sobre a terra, exceto as testemunhas de Jeová. As igrejas cristãs, dizem, serão as primeiras a sofrer destruição.

Aniversários: Celebrar o dia do nascimento, de qualquer forma, é expressamente proibido. Até mesmo enviar um cartão de aniversário pode provocar uma ação imediata contra o ofensor determinada por um "Comitê Judicial" oficial.

Transfusão de sangue: Na prática, do ponto de vista das testemunhas de Jeová, aceitar transfusão de sangue é um pecado mais sério do que o roubo ou o adultério. Ladrões e adúlteros são mais rapidamente perdoados pelos comitês judiciais da Torre de Vigia do que aqueles culpados de  aceitar  sangue.  Uma testemunha de Jeová deve recusar sangue em toda e qualquer circunstância, mesmo quando esteja certa de que esta recusa resultará na morte. A organização também requer que os adultos recusem transfusões para seus filhos menores.
Cristianismo: Exceto por poucos e esparsos indivíduos que mantiveram a fé, o verdadeiro cristianismo desapareceu da terra logo após a morte dos doze apóstolos ‑ de acordo com as testemunhas de Jeová. E não foi restaurado até que Charles Taze Russell fundou a sociedade Torre de Vigia no final da década de 1870. Quando Cristo voltou invisivelmente em 1914, encontrou o grupo de Russell fazendo o trabalho dos "servos sábios e fiéis" (Mat. 24:45) e os nomeou sobre todas as suas posses. Todas as outras igrejas e cristãos professos são, na verdade, instrumentos do diabo.

A Volta de Cristo: O Senhor voltou invisivelmente no ano de 1914 e tem estado presente desde então, governando como Rei através da Sociedade Torre de Vigia. Referências à segunda "volta" são traduzidas como "presença" na Bíblia das Testemunhas de Jeová. A geração daqueles que testemunharam a volta invisível de Cristo em 1914 não vai morrer antes que venha o Armagedom (veja Mt. 24:34).
 xxxxxxxxxx     xxxxxxxxxx



Próximo artigo será postado oportunamente!





Nenhum comentário:

Postar um comentário